Sociedade Amiga

Conflitos Religiosos: a Igreja a beira de uma nova inquisição

Publicado em: 25/09/2014


Observando o dia-a-dia dos meios de comunicação nos deparamos com uma incrível guerra sobre pontos de vistas religiosos. A proliferação de igrejas cresce a olhos vistos. Muitas, sem a devida preparação para o pastoreio e interpretação dos preceitos de Deus, conduzem levas de fiéis para o encontro de uma fé obscura. No entanto, o que mais aflige nos tempos atuais é a polêmica que desabrocha quando adentramos na discussão sobre religiosidade: Qual a igreja mais correta? Quais os princípios que devemos seguir? Qual o Deus que traz a salvação? Srs. Pastores, Padres, Rabinos, Aiatolás, Mulçumanos, Judeus, Cristãos católicos e Cristãos protestantes; no princípio não havia igrejas nem religiões. Quando Deus criou o mundo, ele plantou para o bem. A cisão, as guerras e os conflitos religiosos são coisas do homem, que podemos creditar (se é que ele existe) ao poder do mal. O que vemos hoje é uma infinda guerra de pontos de vistas, onde pessoas e igrejas se apoderam de um “deus superior” e sai divulgando versões fantasiosas, muitos enganando e iludindo pela fé. Isso não existiria se seguíssemos o princípio do bem, da verdade, da comunhão, do amor ao próximo, ou seja: pensar, agir e divulgar o bem.

O mundo de hoje parece que está se encaminhando para uma nova inquisição, onde a pregação, principalmente da mídia, é que a divida tem que ser paga dente por dente, olho por olho. A falta de cristandade popular está nos encaminhando para uma proposta que vai de encontro à vida. Quantos “dos que se dizem cristãos” defendem a pena de morte? Estamos perdendo o sentido do princípio, o sentido da vida em função do “mundo moderno” que afasta as pessoas do discernimento para o bem. Jesus Cristo, com todo seu poder, nunca condenou. Como exemplo, está descrito no Evangelho de São João seu perdão a mulher adúltera, ao responder aos que a trouxeram para ser apedrejada: “Quem de vós estiver sem pecado, que atire a primeira pedra”. Para tanto, como podemos condenar nosso próximo sem uma consciência limpa, sem saber perdoar, sem a absorção de uma misericórdia que leve o próximo para o caminho cristão.

Nos meios sociais, cativamos e formamos novas amizades comungando com muitas pessoas. Discutimos esporte, política, arte, religião... É nesse ponto que percebemos que a comunhão é falsa. Muitos desejam apenas imperar um ponto de vista, a partir de um olhar e afirmação desrespeitosa. Conflitos acontecem pela utilização de uma imagem, por uma redação modificada, por uma interpretação cujo clérigo religioso lê a partir de um ponto de vista, por um reacionário que sempre interpreta a partir de seu princípio. Uma roupa, um sapato, uma estátua de gesso, um livro, ou um objeto qualquer não deve nem pode ser motivos para conflitos, pois reflete apenas um ponto de vista. Jesus Cristo nos ensinou: Amai-vos uns aos outros como eu Vos amei! Basta isso. Não precisamos perpetuar uma guerra terrena, como acontece até os dias de hoje, 2011 anos depois, no país base do Cristianismo, que é o Estado de Israel e da Palestina, onde se encontra Jerusalém, cidade Santa dos Judeus, Cristãos e Mulçumanos. Será que Jesus Cristo queria isso? E o que dizer dos tempos posteriores a era cristã, quando povos começaram a creditar sua fé em Alá e Maomé? Será que eles não merecem a salvação. Será que ao negar a salvação aos irmãos de outras crenças não estamos fazendo o jogo do demoníaco, impondo apenas a nossa fé?

Meus amigos, irmãos de todas as crenças e credos: não basta apenas orar, rezar, refletir, falar palavras bíblicas. Temos que agir, praticar, atender os preceitos advindos do princípio. Temos que respeitar e seguir os caminhos do bem, que são vários. Para tanto, como seguir o caminho do bem deixando para trás tanta gente na miséria, principalmente ao não ver, com um “novo olhar” os povos africanos, onde a grande maioria vive em miséria absoluta? Por isso, torna-se importante o discernimento sobre o que estamos vendo e lendo. A própria Bíblia (com todo respeito cristão) é um livro que foi modificado ao longo dos tempos. São várias interpretações que vem sendo manuseada desde a descoberta dos papiros encontrados na antiguidade. A Bíblia é composta de vários livros, onde muitos não conhecemos, pois não seguem aos interesses das religiões. A Bíblia dos Evangélicos Católicos e dos Evangélicos Protestantes tem passagens que não batem com o princípio, onde várias foram retiradas, tudo isso após a cisão protestante. Para tanto, qual devemos seguir?

Portanto, façamos um apelo para todos os seguidores das diversas religiões. Tentem fazer uma releitura de tudo que ouvimos e lemos, procurando seguir o caminho do bem, da irmandade, do amor e acolhimento ao próximo e estaremos no caminho correto. A Igreja física e humana é um bem terreno que tem como dever a pregação de princípios e valores que façam o bem e não as mazelas que vemos nos dias de hoje. O mal teima em ficar a nossa frente: crime, corrupção, pedofilia, sexo indiscriminado, terrorismo, guerras, dentre tantos outros males. As igrejas são casas de Deus, habitadas por pecadores (sejam eles padres, pastores, aiatolás, mulçumanos, judeus, cristãos católicos ou protestantes) que podem conduzir (ou não) para o bem. Não vai ser o acolhimento ou a negação de uma imagem ou uma fotografia de homens e mulheres que fizeram o bem para a humanidade, ou a comprovação ou não da maternidade e santidade de Maria como Mãe de Jesus Cristo que irá definir qual a religião mais correta. O que definirá o caminho comum para a humanidade é a fé, a partir do seguimento fiel aos princípios religiosos, respeitando e amando ao próximo como a si mesmo. Sendo assim só superaremos os conflitos com um verdadeiro agir ECUMÊNICO, que é o respeito e a partilha com a diversidade religiosa a partir do amor e da bondade.

Concluo lembrando as palavras de um amigo, Pastor Protestante, em um debate sobre ponto de vista religioso, realizado durante uma refeição. Após as defesas e assertivas sobre os pontos de vistas, o pastor externou que me admirava, me respeitava e me acolhia como ser humano, porém não podia me acolher como irmão por não seguir os preceitos de sua igreja. Pois eu digo que acolho e que sou irmão de todos, independente do credo. E em verdade lhe digo caro “Pastor”: você sempre será meu amigo e membro da minha igreja, pois somos irmãos de princípios e comungamos do mesmo ideal, mesmo Deus e mesmo Evangelho de Jesus Cristo. Portanto amemos a todos e todas acolhendo os irmãos de todas as religiões.

 

Postado por: WALTER CALHEIROS

FONTE: www.municipiosalagoanos.com.br

Árvore Amiga/2016 - Pizzaria ARMAZÉM GUIMARÃES & Restaurante MARIA ANTONIETA


Postado em

A Sociedade Amiga em mais uma edição do projeto ÁRVORE AMIGA/2016 junto a Pizzaria ARMAZÉM GUIMARÃES e o Restaurante MARIA ANTONIETA - Empresa Socialmente Corretas - onde beneficiaram através dessa iniciativa 50 crianças da Creche Lindolfo Collor as quais foram agraciadas pelos colaboradores dessas empresas através de um “ato solidário” realizado no dia
22/12/16.

“Não realizamos SONHOS apenas compartilhamos ALEGRIAS”.

Agradecemos em nome das crianças e por cada sorriso que VOCÊS proporcionaram e por acreditarem no projeto ÁRVORE AMIGA.

A todos o nosso Muito Obrigado!

Ver todos >>

Instituições

Publicidade